Cantar 35

As palavras do vento procuramalcançar o coração. Namoradas, elas pesquisamcada sonho do violão, para deixar nos ouvidosas rimas da vibração que eu somente escuteinas letras da tua canção… issa canção dos princípios,quando o mar sempre falava nos sons de cada ola,nos versos que nadavam e nas ardentes poesíasescritas pela tua alma. E agora elas sempre … Sigue leyendo Cantar 35

Hoje não sonhei

Hoje não sonhei. Meu coração escutou as vozes do amor. Cada palavra, cada letra, cada emoção. Falando o teu nome... as folhas das árvores, as nuvens nos céus, as águas, as montanhas, lembrando-te. Criando os poemas que escreverei na minha soledade. Quando o silêncio canta teu nome, deixando teus lábios como os livros das memórias … Sigue leyendo Hoje não sonhei

Se os versos jogaram com estrelas

Se os versos jogaram com estrelas teus olhos morariam nos céus escritos pelos beijos da minha alma. Neles eu desenharia as paisagens para deixar o mapa da tua pele. Assim acharia sempre o caminho dos segredos de teu coração, criando universos de palavras e canções das linguagens faladas pelos amores nossos, issos amores nascidos nas … Sigue leyendo Se os versos jogaram com estrelas

Um quadro para nós

Um sonho caminha sob a lua após que as palavras deixaram no céu as árvores de imaginações, a revelação dos fios invisívels que misturam nossas peles numa harmonia não esquecida nos versos futuros. Descrever o quadro é impossível e falar sobre ele vai além das letras. Só o cheiro da realidade pode colorir os ventos … Sigue leyendo Um quadro para nós

Coletânea de versos

Uma coletânea de versos emerge na profundidade da alma, colorindo a obscuridade com novas ilusões: Uma paisagem nasce con a aurora, criando un livro escrito com a caneta do coração… É uma mistura de cores, tempos, emoções, cantos, luas, beijos, paisagens, lágrimas, pessoas, segundos… para esquecer a musica da morte. Uma coletânea de versos é … Sigue leyendo Coletânea de versos

Quando o coração recebe uma esperança

Quando a noite deixa no siléncio uma esperança, as palavras não nascidas são cantadas pela alma numa chuva de sonhos, criando uma lua imaginária. É como escrever sonhando, fazendo estrelas nás aguas para descrever o caminho das folhas desde cada constelação até os mares de teus olhos. Meu amor, quando achei teu coração eu achei … Sigue leyendo Quando o coração recebe uma esperança